Amazon OKRs, Jeff Bezzos Advice

Photo by Piotr Cichosz on Unsplash

Para Criar os OKRs da Empresa, siga o conselho de Jeff Bezos

Muitas organizações adotam OKR porque querem ciclos de metas mais curtos e  frequentes. Mas as empresas geralmente descobrem que usar somente OKRs trimestrais pode fazer com que os times percam a visão do todo e se concentrem apenas no que podem realizar em três meses.

É por isso que OKR usa cadências aninhadas, separando estratégia e tática:

Qual é a melhor abordagem ao criar os OKRs estratégicos para sua empresa?

Siga o conselho de Jeff Bezos, fundador da Amazon. Foque no que não vai mudar:

Muitas vezes escuto a pergunta: “O que vai mudar nos próximos 10 anos?” E essa é uma questão muito interessante; é muito comum. Eu quase nunca escuto a pergunta: “O que não vai mudar nos próximos 10 anos?” E eu afirmo que essa segunda questão é realmente a mais importante das duas – porque você pode construir uma estratégia de negócios em torno das coisas que são estáveis ​​no tempo. … No nosso negócio de varejo, sabemos que os clientes querem preços baixos, e eu sei que isso vai ser verdade dentro de 10 anos. Eles querem entrega rápida; Eles querem uma grande seleção.

É impossível imaginar um futuro onde em 10 anos a partir de agora, um cliente aparece e diz: “Jeff, eu amo a Amazon, eu só queria que os preços fossem um pouco maiores”. “Eu amo a Amazon, eu só queria que você entregasse um pouco mais devagar”. Impossível.

Quando você tem algo que você sabe que é verdade, mesmo no longo prazo, você pode colocar muita energia nela.

Bezos sabe o que não vai mudar e se concentra nisso. Suas metas de longo prazo são claras: mais produtos, mais baratos e entregues mais rapidamente. Você pode pensar no Kindle e coisas como entregas via drones como meios para alcançar esses objetivos. Inicialmente, eram experimentos.

Separando a Estratégia dos Experimentos

Ao trabalhar com meus clientes, eu costumo pedir que eles passem pelos OKRs estratégicos do ciclo anterior. Eles revisam cada Resultado-chave e me dizem como foi, em uma curta Retrospectiva OKR.

Muitas vezes ouço comentários como: “Desistimos do primeiro KR … O quarto já não era prioridade. E não tínhamos recursos para ir atrás do último”.

Quando isso acontece, fica claro para mim que eles não sabem como usar OKRs aninhados. A beleza do modelo é que ele permite que as empresas separem estratégias validadas, coisas que não vão mudar, de experimentos.

Embora cada estratégia seja, no final, uma hipótese, as empresas precisaram de dados que mostrem que a abordagem funciona pelo menos em pequena escala. Se você não tiver esses dados, você pode executar um experimento durante alguns trimestres antes de comprometer toda a empresa a isso.

Antes de incluir um Resultado Chave em seus OKR estratégicos, pergunte a si mesmo:

  • Você validou todos os componentes desta estratégia?
  • Você tem os dados para apoiá-lo ou ainda é uma experiência?

Eu tive o seguinte diálogo com um cliente há alguns anos atrás:

– Cliente: Incluímos um KR estratégico: Vender 30 milhões através de parceiros. Isso é 30% do nosso objetivo de receita para o ano.

– Eu: É mesmo? Quanto você vendeu por canais no ano passado?

– Cliente: Zero. Nós nunca usamos parceiros antes.

– Eu: Por que você deseja apostar grande parte do seu target de receita em uma idéia não validada? Nós precisamos testá-lo primeiro. Inclua-o como um OKR tático no primeiro trimestre para ver se você pode encontrar parceiros que geram receita. Se funcionar, você pode colocar mais recursos nesa ideia.

– Cliente: Ok. Vamos manter as nossas opções abertas.

Foque no Que Não Vai Mudar

Uma boa estratégia é uma mistura de foco e flexibilidade. Embora OKR não o ajude a formular sua estratégia, as cadências aninhadas irão ajudá-lo a separar os componentes flexíveis dos que são compromissos.

Para criar bons OKR estratégicos para sua empresa, lembre-se dos conselhos do Bezos e foque no que não vai mudar.

Embora OKRs não devam ser escritos em pedra, essa abordagem irá forçá-lo a reunir dados antes de se comprometer, e isso sempre é uma coisa boa.

This post is also available in: EN